quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Feito flor

Vi essa imagem e logo me veio à cabeça aquela conversa.
De não fazer o que queremos, de não ser quem esperamos, de prestar atenção no que somos e quem somos pra nós e pro mundo a nossa volta.
Sinceramente, não me recordo.
Ser mãe me mudou, ser adulta por escolha e antes do tempo me alterou, me mudar me perdeu.
Mais parece que meu lugar não é aqui, que meu espirito não está focado.

E não me para de martelar a pergunta "Quem eu era antes de virar isso que sou hoje?"
Não sei, simplesmente não me lembro.
Sonhos, planos, desejos, angustias, vontades e metas...
ME PERDI DE MIM
Passo pela casa matutando, procurando a ponta da corda pra puxar minha vida de volta pro lugar e nada de achar.
Hora pra acordar, pra fazer, passar, arrumar. Organizar, preocupar, limpar, pagar. Enviar, editar, importar, publicar.
Eu não sei quem culpar, eu não sei quem perdoar.
Sei que me veio aquela conversa...
e vou te contar, nem sei se consigo organizar pra te compartilhar um cado .
Vontade? Ser útil de novo, boa mãe, boa esposa, boa profissional, boa pessoa, boa dona de casa, em tudo que me aparecer! Boa, que seja... quem sabe não chego no maravilhosa?
Sonho? Conseguir conciliar minha vida de hoje na liberdade de antes mesmo que com as devidas alterações.
Gosto? Eu gosto de riso, gargalhada. Quem me dera rir de mim de novo.
Contra minha vontade? Ser rabugenta e impaciente... deixar levar por coisa pouca, problema atoa.
Aprender? Serenidade, garra, um pouco mais de criatividade, aprender a viver fora da bolha.
Ah, você bem sabe... nem café adianta mais, nem sono, nem a caneta e a agenda.
Não sei muito mais de mim, mal sei do que me lembro pequeno.
Hora tendo crise de choro e crise de sono, as vezes ansiedade, as vezes de fome.
E aí, me vem aquela conversa tua de melhorar pra mim, por mim, por dentro feito flor.
Vou tentar não só deixar fluir como melhor for, vou buscar melhorar, batalhar pelo meu amor.

sexta-feira, 7 de março de 2014

Cinza azulado, meu favorito.

Sentada no escuro da sala
enxergando apenas meus dedos iluminados pela tela do computador. 


E da janela aquele tempo que tanto gosto, aquele tempo daqueles tempos.
Vento gelado e céu cinza, sabe?

Sensação de ainda sentir tanto por tanta coisa...
Vidrada em encontrar as palavras certas ou as mais simples, em fim.

Hoje é sexta e meus olhos andam por aí,esquinas ensolaradas, avenidas, trilhos e nas núvens gigantes de hoje de manhã.


Coração preocupado em cuidar melhor e fazer mais pra valer a pena.


Estou utilizando o escuro da casa pra fazer iluminar a mente que falha algumas vezes... esperando bater de novo o vento gelado nas pernas penduradas sacudidas ansiosamente trazendo alguma nova palavra e mais lembranças pra me fazer digitar como antes.

 Trying To Be Cool tocando alto no fone, contagiando minha nostalgia com o tempo.
Cantarolando cada frase de olhos fechados esperando não estar 
misturando musica e texto.

Assim no escuro dos dias, aqui no brilho das minhas musicas favoritas, aí me imaginando
 de mãos dadas
com tudo isso ou aquilo que me faz sentir.


quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Falta de mim ♥

Me corta o coração ver tua falta.
Tua falta que na verdade é minha, uma falta de mim.
Do jeito que eu sorria, falta do meu jeito solto, meio sem compromisso com o mundo todo.
Das surpresas, as borboletas no estomago te fazendo esperar ansioso as ligações.
Nosso primeiro passeio pelas ruas de pedra do centro, até a biblioteca e todo meu amor pelo momento.
Todas aquelas mensagens de texto no celular e todos os beijos longos de reencontro.
Você até acreditou que eu me fazia assim pra encantar...
Corta fundo meu coração, saber do teu desamparo perante a minha falta de afinidade e cumplicidade.
Falta simplicidade!
nos meus dias, nas minhas palavras, nos meus atos, em tudo que faço. No pouco que me faz movimentar as pernas hoje. Eu sei.
Falta em mim, um tanto de chão pra pisar, um tanto de coração pra te doar... falta em mim um tantão assim de mim de antes. Alegria de viver pra te fazer feliz, sorrir, por mim.



domingo, 16 de fevereiro de 2014

Sobre um vazio meio cheio


Só eu sei que ela gosta do gosto que fica de corpo suado
de pele enroscada depois do amor.
Leu em algum lugar que bom mesmo é passar o dia, fazer compra, ir trabalhar, tomar um café, pegar o metrô com o cheiro da pele do outro.
Seduzida por pintas e veias, os detalhes fazem da vida dela gigantesca.
Ouve Cícero com saudades, pensa na chuva e nos dias que se molhou por amor
Procura algo dentro dela que parece não existir mais.
Uma leveza... acho que um encanto de desfazer nós de nós sempre.
Mas
 quando o mundo desaba e a vida anda na corda bamba, ela se crucifica, não dorme, procurando o furo, a gafe.
E o culpado pela dor do parto, pela flor morta no jarro?
 Ouve bem moça do ombro claro, teu vazio é disfarce pra todo cheio do teu coração 
não vai embora agora, não se despede assim...
olha pra trás mais uma vez pra lembrar do meu olhar de carinho a você
recorda o toque das minhas mãos nas suas, todo o suor e também as mancadas tá?
Pois meu amor, mal cabe dentro de mim 
e meu maior orgulho no mundo é ainda poder te ver sorrir.


quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

A apenas alguns dias de comemorar mais um ano de vida do motivo que me fez vir ao mundo, o grande motivo da minha existência, me pego lembrando de tudo, em flash's e isso, vendo dentro dos olhinhos dele enquanto ouvia Frejat.
Ele que nasceu com pouco mais de três kilos, careca, de parto normal ainda que, com três voltas do cordão umbilical no pescoço, de olhos bem abertos e berros agudos pra avisar ao longe sua chegada, me ilumina a cada manhã sem precisar de explicação alguma. 
Ele por si só é o meu viver.
Como se agora, minha obrigação aqui, fosse só e somente direcionar os passos dele no caminho certo sem deixar de registrar um por um.
Da hora de levantar ao banho, da hora de brincar a hora de guardar os brinquedos, da hora de almoçar a hora de escovar os dentes, tudo, absolutamente tudo, é como se eu estivesse fazendo pela primeira vez a cada dia mas com detalhes novos.
E entre tudo isso, me pego reparando em cada cacho de cabelo, cada curvinha das costas, cada costela, cada unha do pé que é uma xerox do meu... os cílios longos, os dentes afiados, o joelho ralado e o umbigo num circulo perfeito. Cada canto dele é surreal! Cada gota de lágrima, cada risada esperta, cada pérola que ele me diz durante meu dia difícil.... tudo nele é amor.
Tem ligação com tudo que a gente ouvia desde o inicio, eu pelos ouvidos e ele através da barriga.
Ama as rimas, as batidas... dança como se não estivesse alí. Ri com a pureza mais linda dessa vida e diverte a quem estiver por perto. Meu principezinho de cachos claros e olhos de jabuticaba! 
Todo mundo sempre falou dos olhos dele... 
Profundos, calmos e de uma fixação extraordinária. Ele vê teu coração pela íris.
E desde a barriga, quando estranhos me paravam na rua desejando tudo de mais lindo pra ele, eu soube que valeria cada segundo de dor, de desespero, de medo e de coragem pra enfrentar tudo. E passaria por cada dor e sofrimento de novo, e de novo, e de novo, quantas vezes fosse preciso!
No meio disso tudo, esbarrei com gente gentil, gente fraca, gente amiga, gente sem noção do quanto tudo isso foi e é mágico.
Gente que talvez não mereça descobrir o que é todo esse amor, gente que realmente não quer descobrir e gente que conheceu, descobriu e que ficou apaixonado pra sempre mesmo só tendo provado alguns goles mas que valeram pra vida toda, dou minha certeza.
E me peguei olhando de novo, debruçada na grade do berço, o soninho mais sereno e o respirar profuuundo de quem definitivamente conhece os anjos.
Meu cristal, precioso do carinho mais verdadeiro e dono do beijo babado mais delicioso de toda a terra!
Mãe é ser quem você nunca achou que seria pra alguém no mundo... é ser toda uma constelação dentro de um outro coração feito pra caber em você.

Eu te amo meu viver, eu te amo demais além dessa vida :')

- A mamãin

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014


O olhar longe que me vigia
os dedos lentos que param o vibrar
das cordas
acompanham a melodia, 
dançando depois do meio dia.
Notas musicadas em lá ou fá, ecoam
nas paredes e sobem um andar.
Coração de estopim, mal consegue
um lugar na plateia.
se aperta entre os joelhos e pernas
em busca do melhor lugar.
Enquanto eu corro pro camarim,
pra te ver voltar com sorriso claro
de quem renovou meu dia!

Insômnia

Sou preenchida por imagens
umas suaves, outras suas.

Sou rodeada por palavras 
umas simples, outras dadas.
E também sou feita de coração de carne, que sangra e bate... bombeia pras veias as desavenças, as grosserias, os acasos, o vazio do mundo e todo o seu amor.
Ultimamente não tenho me bastado, to precisando muito de você do lado.
Dá vontade de musica nova, um porre, sair de novo pra dançar e também montar um picnic só pra gente deitar no colo e ver o olho piscar com aquela luz amarela no olhar.
Sou convencida cada dia mais de que os amores não são descartáveis e que é impossível forçar/disfarçar o amar.

Aquele carinho na nuca, um cheiro na bochecha e pra fechar um beijo no olho que descobri que é mais uma coisa em comum com a Amèlie e o Nino que tanto amei conhecer.
Tem dias que mais parece que a dor vai me levar ou que eu vou afundar no sofá e fazer parte da mobília só que daí, eu lembro que mais algumas vidas dependem da minha.
Sou de acordo com o tempo

mais precisamente com as nuvens.
Sou movida a coca-cola 
mesmo que depois role um café pra despertar.
E agora me deu saudade do telhado, deitar com alguma musica calma e só olhar o céu escuro depois de um dia cansativo.
Deu saudade de pular o muro, de pisar nas telhas certas, sentir o gelado nas costas, debruçar a cabeça mais pra trás...
Realmente, sou um completo vazio, transbordando de cheio. São amores e saudades e cheiros, pessoas, momentos e lugares distantes e próximos.
A conclusão disso tudo é que eu sou insônia, não sou pra você, sou açúcar no fundo do copo.
Agora vem, que deu vontade de...