quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Feito flor

Vi essa imagem e logo me veio à cabeça aquela conversa.
De não fazer o que queremos, de não ser quem esperamos, de prestar atenção no que somos e quem somos pra nós e pro mundo a nossa volta.
Sinceramente, não me recordo.
Ser mãe me mudou, ser adulta por escolha e antes do tempo me alterou, me mudar me perdeu.
Mais parece que meu lugar não é aqui, que meu espirito não está focado.

E não me para de martelar a pergunta "Quem eu era antes de virar isso que sou hoje?"
Não sei, simplesmente não me lembro.
Sonhos, planos, desejos, angustias, vontades e metas...
ME PERDI DE MIM
Passo pela casa matutando, procurando a ponta da corda pra puxar minha vida de volta pro lugar e nada de achar.
Hora pra acordar, pra fazer, passar, arrumar. Organizar, preocupar, limpar, pagar. Enviar, editar, importar, publicar.
Eu não sei quem culpar, eu não sei quem perdoar.
Sei que me veio aquela conversa...
e vou te contar, nem sei se consigo organizar pra te compartilhar um cado .
Vontade? Ser útil de novo, boa mãe, boa esposa, boa profissional, boa pessoa, boa dona de casa, em tudo que me aparecer! Boa, que seja... quem sabe não chego no maravilhosa?
Sonho? Conseguir conciliar minha vida de hoje na liberdade de antes mesmo que com as devidas alterações.
Gosto? Eu gosto de riso, gargalhada. Quem me dera rir de mim de novo.
Contra minha vontade? Ser rabugenta e impaciente... deixar levar por coisa pouca, problema atoa.
Aprender? Serenidade, garra, um pouco mais de criatividade, aprender a viver fora da bolha.
Ah, você bem sabe... nem café adianta mais, nem sono, nem a caneta e a agenda.
Não sei muito mais de mim, mal sei do que me lembro pequeno.
Hora tendo crise de choro e crise de sono, as vezes ansiedade, as vezes de fome.
E aí, me vem aquela conversa tua de melhorar pra mim, por mim, por dentro feito flor.
Vou tentar não só deixar fluir como melhor for, vou buscar melhorar, batalhar pelo meu amor.